Resenha: O Diário de Anne Frank

O_DIARIO_DE_ANNE_FRANK_1413812768B

Ficha Técnica: 

Título: O Diário de Anne Frank

Autor: Anne Frank

Editora: Record

Gênero: Biografias & Memórias

ISBN: 9788501068200

Edição: 1º

Páginas: 416

Ano: 2014

Sinopse:

O depoimento da pequena Anne Frank, morta pelos nazistas após passar anos escondida no sótão de uma casa em Amsterdã, ainda hoje emociona leitores no mundo inteiro. Seu diário narra os sentimentos, os medos e as pequenas alegrias de uma menina judia que, como sua família, lutou em vão para sobreviver ao Holocausto.

Lançado em 1947, O Diário de Anne Frank tornou-se um dos livros mais lidos do mundo. O relato tocante e impressionante das atrocidades e dos horrores cometidos contra os judeus faz deste livro um precioso documento e uma das obras mais importantes do século XX.

Resenha:

Durante os anos de 1942 a 1944, Anne Frank, seus pais e irmã, além de alguns conhecidos tiveram que se esconder em um anexo secreto ao escritório de seu pai.

Anne, passou a escrever um diário, como uma forma de desabafo. Mas ao tomar conhecimento de que materiais escritos durante a guerra seriam publicados, ela passou a revisar e alterar alguns itens de seu diário.

Essa é uma edição completa, contendo material extra que não existe em edições anteriores.

É interessante observar como a guerra afeta pessoas comuns, como coisas que consideramos simples, se tornam tão difíceis de realizar, como por exemplo comprar pão.

Essa garota teve que viver anos presa em um esconderijo, tendo contato com um número muito reduzido de pessoas, praticamente não tendo nenhuma privacidade, por causa da ignorância de algumas pessoas que se consideraram superiores do que as demais.

O relato que ela fez, de fatos do seu cotidiano, são tão diretos, que acabam causando um grande impacto no leitor.

Fiquei imaginando como seria está na mesma situação, convivendo com pessoas tão diferente e sem ter a opção de sair, de ter um espaço para chamar de meu. Anne tinha que lutar por tudo, desde o respeito básico que lhe era negado, até mesmo uma hora especifica para se sentar em uma mesa para estudar.

Nessa situação, é possível ver como o ser humano é mesquinho. Como as pessoas são capazes de fazer coisas indizíveis, seja por ignorância ou por tédio.

Anne era uma garota sensível e emotiva, que se sentia solitária. Ela amadureceu durante o período de cativeiro, infelizmente não teve a oportunidade de ser tornar a mulher incrível que provavelmente se tornaria.

Eu amei essa leitura.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s