Resenha: A Piada Mortal -Alan Moore

13829584_1sz

Ficha Técnica: 

Título: A Piada Mortal

Autor:  Alan Moore

Editora: Panini

Gênero: HQ

ISBN: 8573515473

Edição: 1º

Páginas: 82

Ano: 2015

Sinopse:

A Edição De Luxo – A Piada Mortal , Do Premiado Roteirista Alan Moore ( Watchmen, V De Vingança ) Conta Como Um Dia Ruim Na Vida De Um Homem Pode Significar A Linha Que Separa A Sanidade Da Loucura. Principalmente Quando Se Trata Do Coringa, O Maior E Mais Conhecido Vilão Do Mundo Dos Quadrinhos. Os Desenhos De Brian Bolland ( Camelot 3000 ), Um Dos Maiores Ilustradores Dos Quadrinhos, Elevaram A História Praticamente À Perfeição Retratando Com Maestria O Mundo Imaginado Por Alan Moore. Mas Faltava Um Detalhe Para Completar A Obra. Bolland Não Pôde Colorir A Edição Original, E Agora, Vinte Anos Depois, Isso Foi Corrigido E As Cores Foram Completamente Refeitas Pelo Artista, Seguindo Fielmente A Sua Imaginação. Edição Obrigatória Para Os Fãs Do Coringa, Do Batman E Dos Quadrinhos.

Resenha:

Esse quadrinho é um pouco mais adulto do que os demais. Ele nos apresenta um futuro quase que inevitável que os personagens do Batman ( já consagrado como grande herói) e o Coringa (vilão temido ) possam vir a ter.

Os dois se enfrentam em um dialogo acido logo no inicio, quando o  vilão está preso no Asilo Arkham, mas logo em seguida ele foge e põe em pratica seu plano de provar ao herói que os dois estão fadados a se destruírem, uma vez que o Coringa culpa o Batman por toda a sua infelicidade e pelo mal que lhe aconteceu no passado.

Para que seu plano possa vir a dar certo, o vilão procura atingir as pessoas próximas, ou que tenham alguma ligação com o herói.

O mais interessante dessa HQ,  é a forma como foi transmitida para o leitor a ideia de que todo vilão na realidade é uma vítima do sistema ao qual está inserido. Sendo a sociedade composta de graves desigualdades sociais, a culpada por marginalizar o cidadão, levando alguns a beira da loucura.

Coringa tenta provar que, toda pessoa exposta de maneira tão vil, a um dia ruim, pode sim, vir a perder a sanidade. Ele até questiona o surgimento do próprio Batman, que nunca teria se tornado o herói que se tornou, se não tivesse perdido seus pais de forma tão violenta, ainda na infância.

Alan Moore, se vale de alguns recursos como o flashbacks, para dar mais veracidade a obra. O traço dessa HQ é simplesmente lindo, e a história em si serve tanto para apontar problemas sociais graves, como para criar uma cronologia melhor apresentada para o leitor, sobre esses dois personagens tão importantes para o mundo dos quadrinhos.

Bjos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s