Resenha: A Cor Púrpura- Alice Walker

8503010313_aa

Ficha Técnica: 

Título: A Cor Púrpura 

Autor: Alice Walker

Editora: José Olympio

Gênero:Literatura Estrangeira – Romances

ISBN:9788503010313

Edição: 1º

Páginas: 336

Ano: 2009

Sinopse:

‘Querido Deus’: assim começa a maior parte das cartas escritas por Celie. Negra, semianalfabeta, vivendo no Sul dos Estados Unidos, subjugada a um homem que ela pensa ser seu pai, forçada a viver longe dos dois filhos e com um marido a quem não ama, Celie vive entre cuidar da família e planejar uma vida diferente da sua para a irmã, Nettie. As duas irmãs passariam trinta anos sem notícias uma da outra, Celie confiando seus pensamentos a Deus, seu único correspondente. Até que sua amizade com Shug Avery, cantora de sucesso e amante de seu marido, lhe dá outra perspectiva da vida. Em oposição à solidão, pobreza, brutalidade e violência, Celie descobre novas maneiras de sentir: beleza, conforto, desejo, saudade, esperança, amor e consciência de si.

Resenha:

19883093-jpg-c_300_300_x-f_jpg-q_x-xxyxx

A Cor púrpura é um romance escrito na forma de cartas que Celie escreve para Deus ou para sua irmã. Nessas cartas ela faz pequenos desabafos sobre a sua vida cotidiana, abordando assuntos que vão desde abusos sexuais, agressão, preconceito racial, incesto…

O livro começa de uma forma bastante dura, Celie vai relatando todos os maus tratos que sofreu nas mãos do pai e depois do marido. São tantas agressões que o leitor chega a sentir falta de ar, com o impacto do choque de todas aquelas informações que são lançadas logo nas primeiras páginas. Quando eu pensava que não tinha como piorar, logo vinha um novo baque.

Celie é uma personagem que vai crescendo ao longo da trama, ela inicialmente é muito submissa e acaba por se submeter a todo o mal que é praticado contra ela, inicialmente por achar que não tem força para se impor e assumir as consequências que acarretariam disso, e posteriormente por amor a sua irmã.

the-color-purple-790x500

Durante toda a leitura fica claro a descriminação racial e sexual que essa personagem e as demais que a rodeiam sofrem. Mas é também um livro de empoderamento feminino, onde mesmo as mulheres  aparentemente mais fracas e com menor condição social, em determinado momento dizem basta, eu não aceito mais isso, não serei tratada desta forma, eu tenho valor, sei trabalhar, posso me sustentar e ninguém vai me definir pela minha cor ou pelo meu sexo.

Outro tema recorrente é o machismo existente, onde os homens reproduzem o mal que era praticado em suas casas pelos seus pais. Eles simplesmente não sabem como agir de outra forma, uma vez que agressão física e maus-tratos era tudo o que conheceram durante toda a vida.

thecolourpurple_2248424b

O livro foi escrito com muito tato, de forma a tocar o coração do leitor. E impossível ler essa história e não se encantar por Celie. A sua luta interna pela auto-realização nos representa mesmo nos dias atuais. Ver essa personagem evoluindo na sua forma de pensar, de agir, de falar e de escrever, uma vez que as primeiras cartas tinham diversos erros ortográficos e isso vai sendo amenizado a medida que a história evolui.

Nettie, sua irmã também é um personagem forte, mas as dificuldades que ela teve que enfrentar foram de outra ordem (social), isso em grande parte pelo auxilio que a irmã lhe prestou durante toda a vida. O amor une essa duas personagens, e é esse mesmo amor que vai levar Nettie a cuidar e proteger os filhos perdidos de Celie, havendo depois um reencontro de todos.

a-cor-purpura01

A guinada na vida de Celie se deu após a relação dessa personagem com uma famosa cantora que acaba se hospedando em sua casa durante um período de grande dificuldade. O detalhe é que essa mulher foi amante do seu marido durante toda a vida e no inicio chegava a ser maldosa com Celie, que simplesmente a adorava e admirava por sua coragem em lutar pelos seus sonhos. Essas duas personagens se tornam amantes, amigas, irmãs, em uma linda história de amor que criou paradigmas para época em que o livro foi lançado e ainda hoje se aplicam muito bem. Afinal de contas o preconceito sempre deve ser dobrado pelo amor ao próximo, não importa a forma de amor.

Bjos!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s