Resenha: Memórias de uma Gueixa – Arthur Golden

11

Ficha Técnica: 

Título: Memórias de uma Gueixa

Título Original: Memoris of a Geisha

Autor: Arthur Golden

Tradução: Lya Luft

Editora: Arqueiro

Gênero: Memórias/ Ficção

ISBN: 9788580414257

Edição: 1º

Páginas: 448

Ano: 2015

Sinopse:

22

Olhos cinza-azulados. Muita água em sua personalidade, é o que diz a tradição japonesa. A água que sempre encontra fendas onde se infiltrar, cujo destino não pode ser detido.

Assim é Sayuri, uma das gueixas mais famosas de Gion, o principal distrito dessa arte milenar em Kioto. Com um olhar, ela é capaz de seduzir. Com uma dança, ela deixa os homens a seus pés.

O que ninguém sabe é que, por trás da gueixa de sucesso, há um passado de perdas e desilusões de uma mulher que, desde o dia em que o pai a vendeu como escrava, fez cada uma de suas escolhas motivada pelo amor ao único homem que lhe estendeu a mão.

2

Neste livro acompanhamos sua transformação enquanto ela deixa para trás a infância no vilarejo pobre e aprende a rigorosa arte de ser uma gueixa: dança e música, quimonos e maquiagens; como servir o chá de modo a revelar apenas um vislumbre da parte interna do pulso; como sobreviver num mundo onde o que conta são as aparências, onde a virgindade de uma menina é leiloada, onde o amor é considerado uma ilusão.

Já idosa, vivendo nos Estados Unidos, ela narra suas memórias com a sabedoria de quem teve uma vida longa e o lirismo de quem soube encontrar nela seu lado mais doce.

Neste relato único, que reúne romance, erotismo e, muitas vezes, a dura realidade.

 

Resenha:

1

Memórias de uma Gueixa é um livro encantador, que aborda elementos da cultura japonesa, explorando um mundo rodeado de sexualidade e mistérios, onde o segredo era o elemento principal para manter a fantasia e beleza que rodeava as garotas que foram treinadas desde a infância para serem as mulheres mais desejadas e invejadas daquela sociedade.

Apesar da aura de encantamento existente, as gueixas geralmente eram mulheres sofridas, muitas vezes tinham perdido seus pais quando ainda eram muito jovens, outras  foram vendidas como escravas por seus pais, indo parar em Gion, o principal distrito de formação de gueixas existente na época.

Sayuri é uma dessas jovens, ela perdeu a mãe, foi vendida juntamente com sua irmã pelo seu pai, a irmã acabou sendo considerada inadequada para função de gueixa e foi destinada a uma situação ainda mais degradante e cruel do que a de sua irmã.

33

Desde o inicio fica claro que a beleza de Sayuri iria lhe abrir portas, mas também causar muita inveja entre suas iguais. Sendo sua principal rival a gueixa de maior prestígio de sua casa, essa lhe perseguiu por muitos anos, lhe colocando em grandes enrascadas e quase destruindo a sua oportunidade de se tornar uma gueixa respeitável. Em uma trama orquestrada por sua rival, a garota acabou sendo pega e  relegada a condição de escrava por mais de 6 anos até que foi salva por uma benfeitora.

O romance em torno do qual a trama gira é fascinante, como todo bom romance tem seus altos é baixos, deixando sempre o leitor na expectativa de descobrir qual o final reservado a personagem. Esse realmente só será revelado  nas últimas páginas.

3

Apesar do romance ser narrado em primeira pessoa pela própria Sayuri, que no momento se encontra já idosa e morando nos Estados Unidos. Não temos nenhuma ideia do que se passou com ela, sendo preciso ler todo o romance para ir aos poucos descobrindo essa linda história, a medida que ela se sentia confortável em compartilhar conosco.

Como vocês poderão perceber eu estou completamente encantada com este livro. Desejando descobrir ainda mais elementos desse mundo fascinante.

222

Onde garotas de 9 anos que foram vendidas como escravas, conseguiram apesar de toda a dor e desilusão se transformar em propagadoras das mais expressivas formas de arte, dominando a dança, interpretação, maquiagem, postura, comportamento social, boa companhia, música e o principal, serem ouvidas e admiradas em uma época em que as mulheres não tinham voz em boa parte do mundo.

Essas mulheres eram admiradas pela sua capacidade de serem reservadas, bem comportadas, terem um alto nível de pudor, mas apesar disso saberem se impor, saírem das piores situações com elegância, se utilizando de suas duas principais armas: sedução e inteligência. Mesmo quando tinham suas virgindades leiloadas, elas não eram vistam como meros objetos. As gueixas nunca eram tratadas ou vistas como prostitutas, pois o seu corpo não era vendido, pagavam pelo prazer de sua companhia. Elas só se entregavam  após o leilão (para o maior lance) e para o protetor (homem que a sustentava).

111

Elas eram fieis a seu protetor, mas sabiam que não deveriam se apaixonar por ele, a uma gueixa não era reservado o direito de amar. O protetor geralmente era casado (casamento arranjado), ele apesar de a sustentar não lhe tratava como uma posse. Elas tinham independência, casa, vida social própria.

Em 2005 houve uma adaptação para o cinema, onde Ziyi Zhang interpretava o papel da Sayuri adulta. A fotografia do filme é maravilhosa, assim como o figurino e a trilha sonora. A adaptação acabou sendo muito fiel a obra, o que me deixou ainda mais fascinada.

Espero que todos vocês tenham a oportunidade de ler este livro algum dia, sei que assim como aconteceu comigo, vocês não vão se  arrepender.

Bjos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s